Como Montar uma Landing Page

Como Montar uma Landing Page

Você certamente já visitou uma landing pages algumas vezes enquanto navegava pela internet. Uma landing page pode ser a página designada para a qual você vai quando clica em um anúncio. Pode ser a página de um botão Call to Action. Também pode servir como a homepage de um website. Independente do formato ela tem um objetivo muito bem definido: Converter visitantes em Leads (contatos qualificados).

O que é uma landing page

Uma landing page é uma página de um site com um propósito específico: o objetivo dela é converter visitantes em leads. Embora existem muitos tipos de landing page, a intenção é a mesma: capturar mais leads para o seu time de vendas.

Landing pages contém formulários para leads, que pedem a visitantes sua informação de contato em troca de algo de valor, também conhecido como oferta.

Agora, pense em quão protetor você é sobre suas informações pessoais. O que faria alguém querer disponibilizar informações pessoais na internet?

Bom, aí que entram as melhores práticas de landing page. Uma página bem-feita, sólida, e com um público-alvo bem definido pode fazer qualquer pessoa ceder as informações necessárias.

Por que você precisa de uma landing page

Por que você criaria uma página especial apenas para pessoas preencherem um formulário? Por que não usar a home do seu site, ou então a página de contato do mesmo? São ótimas perguntas.

E depois desse artigo, você estará respondendo-as por si mesmos. A resposta curta é essa: uma landing page elimina distrações por remover navegação, links que competem uns com os outros, e opções alternativas, para que você tenha a atenção total e completa do visitante.

E atenção completa significa conseguir guiar esse visitante para onde você gostaria que ele fosse, ou seja, para o seu formulário. Resumindo, são páginas especificamente construídas para criar conversões. Criadas para que o visitante preencha o formulário, caindo assim funil de vendas da sua empresa.

Agora que você entende a importância delas, vamos para as melhores práticas ao criar uma landing pages para ter a certeza que sua página está pronta para converter.

1. No cabeçalho superior foque em benefícios

A cada dez pessoas que visitam sua landing page, pelo menos sete vão sair sem pensar duas vezes. Para manter esse número o menor possível, seus visitantes precisam saber (e entender) o que eles podem ganhar nos primeiros segundos em que chegam. O primeiro cabeçalho da página será a primeira frase que lerão, e deverá comunicar de um jeito claro e conciso os valores que sua landing page oferece.

2. Escolha uma imagem que ilustre a oferta

Sim, uma imagem é mandatória, e deve representar o seu público-alvo. O propósito da imagem é transmitir um sentimento: ela deve ilustrar como seu visitante se sentirá quando receberem sua oferta. Uma imagem logo na primeira dobra do site (parte do site que é visível sem que seja preciso rolar a tela para baixo) ajuda a reforçar a informação inicial.

3. Escreva um texto convincente

Não passe todo o seu tempo criando o cabeçalho perfeito e achando sua imagem ideal, para cair por terra quando se trata das palavras que irão vender de verdade seu Call to Action. Seu texto precisa ser claro, conciso e deve guiar o visitante para a ação que você quer que ele complete. Um texto atraente também fala diretamente com o visitante usando “você” e “seu” para fazê-lo sentir-se engajado. Falaremos de mais dicas textuais abaixo.

Dica Importante: Procure descrever casos reais sempre que possível. Relate situações onde o seu produto ou serviço contribuíram para solucionar um problema de um cliente. Textos relatando casos reais fortalecem a oferta ao torná-la mais convincente.

4. Inclua o formulário de leads acima do resto

Seu formulário de captação de leads precisa ser instantaneamente acessível, para caso o seu prospect queira se converter de imediato: você definitivamente não o quer procurando a oferta na sua landing page. “Acima do resto” significa que visitantes não tem que descer a página para chegar ao formulário: estará a vista assim que a página carregar. Pode ser um formulário ou uma âncora de link ao formulário. Ou melhor, faça o design do seu formulário de forma que acompanhe o usuário conforme ele desce a página.

5. Adicione um Call to Action claro e chamativo

O Call to Action (CTA), em português Chamada para Ação, é indiscutivelmente um dos elementos mais importantes da sua landing page: é um dos muitos fatores que encorajam a conversão. O botão de CTA precisa ser chamativo, significando que você deve usar uma cor que contrasta com outros elementos na página. Seja claro sobre o que você quer que visitantes façam, isto é, use um verbo imperativo que fique claro para eles, como “preencha”, “baixe”, ou “consiga agora”.

Para reforçar a chamara para a ação é comum a utilização de setas, por exemplo, apontando para o botão. Muitos utilizam este recurso para aumentar a atratividade do botão. Falaremos mais de boas práticas de CTA abaixo.

6. Ofereça algo realmente relevante

Pense na sua landing page como parte da jornada do lead para sua melhor oferta: seu produto ou serviço, no caso. Sua oferta é o item especial que você dá em troca da informação pessoal do seu lead. Não apenas deve ser atraente o suficiente para seu visitante prover a informação de contato, mas também deve ser relevante para o seu negócio. Digamos que você venda ferraduras para cavalo.

Sua oferta pode ser um e-book com o título: “10 maneiras simples de medir os cascos do seu cavalo.” Porque, no fim das contas, você vai pedir para o seu lead comprar suas ferraduras. Você não iria prender a atenção deles com uma oferta sobre plantio orgânico, porque isso os colocaria em um caminho completamente diferente.

7. Peça apenas o que você precisa

Você quer reunir a maior quantidade de informações possíveis sobre o seu lead, mas o quanto você pede depende de vários fatores: quão familiares eles são com você ou com a sua marca, onde estão na jornada de compra, e o quanto eles confiam em você. Peça o menos de informação possível no seu formulário de leads, para criar uma barreira fraca de entrada. Um nome e um e-mail são mais do que suficiente para começar um processo de nutrição com um novo lead.

8. Remova todos os possíveis pontos de fuga

Lembre sempre do seguinte: Sua landing page tem um e apenas um objetivo: converter visitantes em leads. Quaisquer links atraentes – incluindo links internos para outras páginas do seu website – irão distrai-los desse objetivo. Remova qualquer link na sua página para que toda a atenção do visitante se concentre no seu Call to Action.

9. Faça sua página ser responsiva

Mais da metade do tráfego de websites vem de aparelhos celulares. Então, a experiência de usuário deve ser a mesma, não importa o aparelho que os visitantes estão usando. Fazendo sua landing page ser responsiva, você dá a eles toda e qualquer oportunidade de se converter, estejam em um desktop, celular, tablet, entre outros.

O termo responsiva significa adaptar-se aos diferentes formatos de tela dos diversos dispositivos, sejam eles móveis ou não. Entre outras palavras, quando um site é responsivo significa que o usuário não terá a sua experiência afetada acessando o endereço por um computador de mesa, um notebook, um tablet ou numa tela de Iphone, Galaxy ou Asus, por exemplo.

Assim como toda e qualquer página do seu website, sua landing page precisa ser responsiva para acomodar toda a experiência do visitante. A última coisa que você precisa é que seu formulário não fique visível em aparelhos celulares. Dê a seus visitantes toda e qualquer oportunidade de conversão, não importando de onde estão vendo sua página.

10. Otimize sua busca

Claro, você atrairá visitantes para sua landing pages por e-mail marketing, posts nas mídias sociais e outros métodos de marketing, mas a sua página deve ser otimizada com palavras-chave relevantes para suas campanhas pagas e para a busca orgânica. Quando alguém procura por uma determinada palavra-chave, deveriam encontrar a sua landing page. De forma semelhante, quando você paga um anúncio com aquela palavra, elas devem existir de forma relevante na sua landing page.

11. Lembre de usar uma página de agradecimento

Uma página de agradecimento é para onde você manda os leads assim que estes completam o envio do formulário preenchido. Depois dessa ação, você deve mostrar uma mensagem de “obrigado” na mesma página.

Uma página de agradecimento tem quatro propósitos importantes:

  1. Dar ao visitante a oferta prometida (normalmente na forma de um download instantâneo);
  2. Te dá uma oportunidade de interessar o seu lead com conteúdo relevante adicional;
  3. Serve para agradecê-lo pelo interesse, o que acaba sendo importante para promovê-lo para um cliente mais para frente.
  4. Rastrear a jornada do lead, uma vez que esta página somente será acessada após o envio do formulário.

Como fazer o design da sua Landing Page

Muitas vezes, design significa criatividade, cores, e imagens bonitas. Para uma landing page, tomamos design como, além de tudo isso, algo funcional, bem orientado, e eficiente. Então, para montar uma landing page com um bom design, você precisa usar tanto o lado esquerdo quanto o direito do cérebro. Mas não entenda errado: você ainda precisa de imagens ótimas e cores atraentes para converter os visitantes.

Estrutura de uma landing page

A boa notícia é que você não precisa ser criativo demais. A maioria das landing pages seguem uma estrutura bem semelhante, porque há provas de que ela funciona. Você pode colocar sua criatividade por imagens e cores, mas se atente ao formato de landing page que as pessoas já se acostumaram a ver.

Uma boa landing page tem cinco elementos:

  1. Cabeçalho que chama a atenção do visitante;
  2. Imagem relevante para seu público-alvo;
  3. Formulário de contato acima no site, que captura a atenção de visitantes;
  4. Call to Action atraente e orientado para ação;
  5. Texto que informa e induz seu visitante a preencher seu formulário.

Sua landing page pode ter mais que isso? Claro que sim. Talvez com botões de “compartilhar”, que visitantes podem usar para divulgar a sua oferta. Os itens mencionados são o mínimo. Você precisa conhecer sua audiência, de onde eles vêm e onde estão na jornada de compra, para saber o que mais incluir. A regra geral é incluir o quanto de informação for necessária para que a conversão ocorra.

Layout de landing page

Isso pode vir como uma surpresa, mas a maioria das pessoas não leem todas as palavras do seu texto bem pensado. Em vez disso, eles olham por cima e prestam atenção nas partes mais relevantes. Seu trabalho é fazer com que essas partes tenham destaque, para que o visitante não perca nada importante.

Isso significa algumas coisas:

  • Mantenha as informações mais importantes acima, para que seu visitante não precise descer a página para vê-las;
  • Performe um teste de piscar na sua página. Isso significa que o visitante deve conseguir perceber a maior quantidade de informação possível para obter a mensagem principal no tempo que leva para ele piscar: ou seja, menos de cinco segundos;
  • Use espaço em branco (ou negativo) para manter o seu visitante engajado, concentrado, e para ajudá-lo a compreender a mensagem;
  • Escreva com bullet points ou parágrafos curtos, para que sua mensagem seja fácil de digerir;
  • Tente colocar o texto importante em um padrão “F” de leitura, que é a direção que a maioria das pessoas leem páginas online (duas linhas horizontais, e então vendo rápido na vertical). Trabalhe com padrões visuais para induzir pessoas a pontos chave que irão fazê-los virar uma conversão.

Cores em uma Landing Page

O design da sua landing page – incluindo cores usadas – devem refletir as do seu website. Sua intenção deve ser formar uma relação a longo prazo com as pessoas que visitam sua landing page, e isso significa familiarizá-los com cores e o estilo único da sua marca. Quanto mais reconhecerem sua marca, mais confiam em você, e se torna mais fácil fazê-los tomar a ação desejada.

As áreas que você deve considerar usar cores alternativas são em elementos da página que precisam se destacar: frisando, seu botão Call to Action. Seu objetivo deve ser contraste, para que áreas estratégicas fiquem realmente destacadas. Digamos que as cores da sua marca são verdes. Você quer então escolher uma cor que chame a atenção dos usuários par ao seu botão. Então que tal colocar um fundo roxo?

Imagens para uma landing page

A imagem da sua landing page é uma das primeiras coisas que as pessoas vão ver, e já que as pessoas processam estímulos visuais muito mais rápido que o resto, ela dita o tom da experiência. Mas como você pode possivelmente escolher entre milhões de fotos de banco de imagens e aquela sessão de fotos da empresa que está ocupando todo o espaço na sua nuvem? Vamos estreitar a seleção com algumas perguntas importantes:

Quem é o meu público alvo?

Qual a aparência da sua persona? Quantos anos ela tem? Como se veste? Quais são seus interesses? As respostas para essas perguntas são importantes para determinar que imagem você irá colocar em destaque na sua landing page. Para atrair seu público-alvo, precisa representá-lo de alguma forma.

Para onde quero que as pessoas olhem na minha landing page?

Pode parecer uma pergunta estranha, mas é realmente baseada na ideia de que as pessoas podem seguir pistas direcionais, como para onde alguém está olhando ou apontando. Se quer que seus visitantes preencham um formulário, considere uma imagem que leve a atenção a ele.

Essa imagem reforçará minha mensagem?

Todo elemento na sua landing page tem um propósito importante. Já que a sua imagem é uma das primeiras coisas que as pessoas veem, ela deve ajudar a esclarecer o que o visitante pode esperar da sua página. Tenha certeza que a imagem acrescenta valor.

Call to Action (CTA) – Chamada para Ação

O CTA é o local onde o seu visitante passará (ou não) a ser um lead, ou seja, é onde você determina a ação que o seu visitante precisará tomar para atingir o objetivo esperado. Digamos que você vende ferraduras para cavalo (lembra do exemplo?) e está oferecendo o e-book “10 maneiras simples de medir os cascos do seu cavalo”.

Para receber o e-book o visitante terá que informar nome e email e enviar o formulário. Aí está o call to action. O objetivo esperado é que o visitante clique no botão para enviar o formulário. E quando isso acontece, bingo! Você converteu o visitante do seu site em um Lead.

Discutimos seu CTA algumas vezes até então, mas já que é a parte mais importante da sua landing page, vale a pena mencioná-lo de novo. Quando se trata do design do seu CTA, existem alguns truques que o farão tão atraente que os visitantes se sentirão compelidos a clicar. Para esclarecer, seu CTA inclui o botão e o texto que você usa para chamar atenção para ele. Use essas dicas para os dois:

  • Dê ao seu CTA uma cor vibrante e contrastante;
  • Tenha no texto do seu CTA foco no benefício do seu visitante;
  • Vá direto ao ponto: não use mais do que cinco palavras;
  • Diga a seus visitantes o que você quer que eles façam usando verbos no imperativo, por exemplo: baixe, clique, obtenha;
  • Faça o botão ser grande o suficiente para ter destaque na página;
  • Dê algum espaço negativo; não encha a área em volta do seu CTA;
  • Siga o fluxo da página e coloque seu CTA onde os olhos de seus visitantes serão guiados, como na esquerda ou direita do texto;
  • Teste o formato do botão, teste o texto… De fato, teste tudo.

Dicas de texto para Landing Page

Depois do design, é necessário um texto maravilhoso. Seu objetivo é ser atraente, instrutivo, agradável, conciso, eficiente, confiante e informativo, tudo de uma vez. Como? Continue lendo.

Passe por todos os pontos principais

Seja qual for a posição do texto, há alguns pontos principais que você precisa atingir com ele. Eles são a dor da sua persona, a solução para essa dor, como sua solução funciona (funções), como irá melhorar a situação do visitante (benefícios), e verificação de como funciona (provas sociais).

A maior parte do que você precisa escrever precisa cobrir como você ajudará o seu prospect, não o quão maravilhoso você é (porque isso fica implícito). Olhemos esses pontos com mais atenção.

A dor

A dor em que você se concentra deve ser uma que sua oferta resolve. Não querendo soar negativo, é importante tocar no problema que sua persona está encarando, de forma que entendam que você sabe pelo que ela está passando. Empatia é um jeito eficiente de construir confiança. E se eles sabem que você compreende o problema deles, eles serão mais aptos a confiar na sua solução.

Sua solução

A solução à dor é o que você oferece em troca da informação deles. Ilustre um caminho claro entre o problema deles e como sua solução é o remédio que precisam.

Funções

Só saber o que é a sua solução pode não ser suficiente para converter leads. Então o que você precisa é mencionar o que está incluso na solução. Se é um e-book, sobre o que ele fala? Se está promovendo um webinar, como irá funcionar e o que você irá ensinar? Se é um serviço, o que podem esperar? Dê ao seu lead em potencial todas as informações que eles precisam para tomar uma decisão.

Benefícios

Seu texto deverá ter o peso dos benefícios ao usuário, porque é para isso que eles ligam: o que ganham com isso. Enquanto funções listam as especificidades da sua oferta, benefícios dizem aos visitantes como a situação deles irá mudar como resultado. Eles pintam uma imagem vívida de como a vida pode ser melhor através da sua solução.

Prova social

Estudos mostram como prova social é eficiente para persuadir pessoas a tomar uma ação desejada. Essa prova vem na forma de logos de marcas com que você já trabalhou, testemunhos de clientes anteriores, reviews do seu produto, ou confirmação que outros compraram o seu serviço. Para resumir, as pessoas querem saber que outros usaram ou se beneficiaram também dessa solução. Incluindo prova social na sua landing page, você está validando sua oferta sem falar nada.

Responda prontamente as objeções

Uma parte chave de escrever textos persuasivos (que convencerão pessoas à conversão) é desmantelar objeções antes mesmo delas aparecerem. Isso requer alguma habilidade… Ou ao menos, alguma ajuda de um amigo.

Quando você tiver o fundamental, ou seja, todos os pontos principais acima, coloque-se na mente do seu prospect e pense sobre o que eles podem protestar ou em que podem te desafiar enquanto leem. Por exemplo, se você disser “Ajudamos tais empresas a conseguir tantos clientes”, seu leitor pode duvidar do fato, a não ser que você siga essa afirmação com prova social.

Faça esse exercício para cada seção da sua página (ou peça a um amigo sincero para ajudá-lo), até que você passe por todas as objeções possíveis que possa pensar. Quando você obtiver perguntas de pessoas que visitaram sua landing page, use-as como feedback para afiar o seu texto ainda mais. Ou melhor ainda, procure críticas construtivas de seus primeiros leads convertidos, para ter a certeza que sua página atende a todas a necessidades.

Construa confiança com seu prospect

Digamos que você está lendo uma página de promoções, e a empresa escreveu “Nosso produto ajudou mais de 100 pessoas, e pode funcionar para você também!” Eu provavelmente deixaria a página de lado, e encontraria uma empresa com uma solução que possa com certeza funcionar para mim. Seu objetivo é construir confiança com seu visitante, e o jeito de fazer isso é demonstrar a sua autoridade no assunto.

Além de prova social, outra forma de construir confiança é:

  • Escreva para seus prospects do jeito que você falaria com um cliente ao vivo;
  • Cite estatísticas e métricas que apoiem sua mensagem;
  • Use estudos de caso que destacam clientes semelhantes ao seu público-alvo;
  • Seja algo com que podem se relacionar. Mostre para sua audiência que você é humano, se abrindo sobre dúvidas que você já teve e sendo sincero. O truque é que você deve apenas compartilhar o que é relevante ao problema deles; não divulgue qualquer coisa só por divulgar.

Use gatilhos de clique

Gatilhos de clique são pensados para eliminar aquela última gota de dúvida antes do visitante se converter. Você pode pensar neles como Aumentadores de Probabilidade (sim, um termo inventado). Eles são essencialmente textos posicionados perto do seu CTA, que empurram seu prospect ao clique acalmando a mente deles e mitigando o risco de conversão.

Abaixo estão algumas formas de utilizar um gatilho de clique:

  • Garantia de dinheiro de volta;
  • Garantia de sair fácil das listas;
  • Frase de um cliente satisfeito ou de sucesso;
  • Falar mais sobre “o que esperar”;
  • Riscos em um preço;
  • Política de privacidade.

O que quer que você escolha, gatilhos de clique darão a suas possíveis conversões o impulso de que precisam.

Testando sua landing page

Tudo que discutimos agora é ótimo, em teoria. Mas seu trabalho é diferente dos outros, e seu público-alvo é único. Como você sabe que o texto escolhido está funcionando? Ou se seu posicionamento de CTA está correto? Que cores tem uma performance melhor? Que imagem escolher?

Você testa. Simples assim. Split testing, ou A/B testing, é testar várias versões da sua página através de softwares, para te dar a certeza de que a com maior número de possíveis conversões vá ao ar. É mais um experimento para adicionar à sua lista como profissional de marketing.

Vamos ver brevemente como performar estes testes da melhor forma na sua landing page.

O que é A/B testing?

É simplesmente dividir o tráfego do seu site entre duas (ou mais) variações da mesma página, para ver qual tem a melhor performance. Enquanto você pode fazer isso manualmente lançando uma variação da página de cada vez por determinados períodos de tempo, é muito mais eficiente usar um programa que te ajude a fazer um teste e medir seus resultados.

O maior componente de testes A/B são as variáveis, ou as duas versões da página. O campeão, ou a página original, e o desafiante, ou a página que você modificou para testar em relação à original.

Como fazer um A/B test

O truque mais importante para split tests é fazer mudanças extremamente pequenas com cada experimento. Por exemplo, você não quer fazer um teste no seu cabeçalho e na sua imagem ao mesmo tempo, porque aí você não saberá qual fator deu nos resultados.

Por esse motivo, teste um elemento de cada vez. O “vencedor” se torna seu campeão, e então você pode criar um novo desafiante para testar o próximo elemento. A intenção é repetir esse ciclo até atingir uma taxa de conversão que te satisfaça (e que tenha expectativas realistas).

O que deverá ser testado?

Você pode testar qualquer coisa na sua landing page. Contudo, enquanto isso é possível, você pode querer limitar seu teste a elementos de mais impacto na sua página, como:

  • Texto do cabeçalho
  • Imagem
  • Cor do CTA
  • Gatilhos de clique
  • Texto da página
  • Tamanho e campos do formulário de leads

Esses testes têm um impacto maior em taxas de conversão. Tente começar com os mais simples antes, como o cabeçalho ou a cor do CTA, e depois vá para os mais complicados, como o texto da página.

Métricas de landing page para prestar atenção

Métricas te dirão tudo que você precisa sobre o quão bem sua landing page está performando, além de te dar algum direcionamento sobre como melhorá-la. É difícil saber exatamente o que irá funcionar quando você bota uma página no ar. Meça meticulosamente no começo até você atingir uma taxa de conversão relativamente boa. A partir daí, pode ficar de olho nas métricas com menos frequência.

Visitas na Página

Quantas visitas você está conseguindo na sua landing page? Quanto mais visitas, mais você aumenta a probabilidade de conversões. Tente ajustar sua estratégia de anúncios pagos ou redefinir suas palavras-chave para obter mais tráfego na página. Você também pode deixar seus seguidores sabendo da página através de e-mails, mídias sociais, e no seu website.

Fonte de Tráfego

Saber de onde vem seu tráfego te fará entender onde dobrar os seus esforços e onde deixá-los de lado.

Taxa de Conversão

Esse é o número de pessoas que completam seu formulário de leads e acabam na sua página de agradecimento. Há várias alterações pequenas que você pode fazer para esse número aumentar na sua página, mas tenha de certeza de fazer o teste A/B para saber o que está funcionando.

Contatos

Contatos se refere ao número de leads gerados com formulários. A razão disso ser diferente de conversões é porque contatos duplicados só são contados uma vez. Isto é, se um lead atual preenche seu formulário de contato para ter a sua oferta, eles não afetam essa contagem.

Mapa de Calor

Isso é mais uma observação de como as pessoas interagem com sua página do que uma métrica. Mapas de calor mostram onde pessoas descem a página, o que leem, e qual é o engajamento delas com tudo aquilo. Isso tudo vira informações úteis para pensar no layout e estrutura da página.

Taxa de Rejeição

Se visitantes chegam na sua página e imediatamente a deixam, então você precisa examinar se o conteúdo está alinhado com a oferta. O texto captura a atenção dos visitantes? Os visitantes sabem automaticamente o que fazer quando chegam na sua página? Essa página é uma reflexão do texto utilizado para fazer pessoas visitá-la?

Abandono de Formulário

Essa métrica diz quantas pessoas começaram a preencher o formulário, mas não o completam. Se esse número for particularmente alto, alguns ajustes para considerar é incluir gatilhos de clique, encurtar seu formulário, ou deixar mais claro o que você deseja que o visitante faça.

Métricas dos Concorrentes

Você precisa julgar sua landing page de acordo com normas da indústria, vendo quem tem público-alvo semelhante para saber se a sua página está performando conforme o esperado. Confira alguns concorrentes para ter como base, mas não se desencoraje com o resultado de outras empresas.

Não importa o que aconteça, você pode sempre diagnosticar e mudar suas landing pages se prestar atenção às métricas.

Como fazer suas landing pages serem mais eficientes

Há sempre pequenas alterações que podem ser feitas para aumentar a performance da sua landing page. Abaixo estão algumas ótimas dicas para aumentar o nível delas.

Otimize sua landing page

Otimização é sempre uma palavra tão confusa, não é? Quer dizer, estamos falando de imagem, texto, palavras-chave, interações de usuário? A resposta é sim. Estamos falando de tudo isso. Otimizar significa apenas fazer da sua landing page a melhor que ela pode ser, e isto pode incluir uma infinidade de modificações. Já falamos bastante da execução de várias delas, então não tenha medo e vá em frente. Se está inseguro, contrate alguém especializado, que estudou para fazer esse processo e que conseguirá garantir resultados.

Apresente uma oferta MUITO BOA

Você pode dizer que qualquer coisa de graça se qualifica como “bom”, mas não é exatamente verdade. Sua oferta não deve ser somente grátis (não estamos falando de página de vendas aqui), mas deve ser boa o suficiente para convencer um desconhecido a te dar a informação pessoal dele. Vamos encarar: existem um monte de empresas competindo pela atenção do seu público, pedindo pela informação deles e a solicitando por e-mail. Então, o que vai te diferenciar? Eu digo, uma excelente oferta.

Aqui vão algumas perguntas para determinar se sua oferta é atraente ou não:

  • Minha oferta resolve uma dor do meu público-alvo?
  • Há um benefício claro que um lead pode ganhar com esta oferta?
  • Minha oferta consegue competir com a concorrência?

Diminua o tempo de carregamento da sua página

Um único segundo de atraso no tempo de carregamento de uma página significa 7% a menos de conversões e 11% a menos de visitantes na página. Um estudo concluiu que um tempo de carregamento de três segundos pode resultar em perder quase metade dos seus clientes em potencial. E não é só isso: tempos longos de carregamento resultam em insatisfação e frustração de clientes.

É desnecessário dizer que tempo de carregamento da sua landing page é uma métrica que deve ser levada à sério.

Mantenha a jornada de compra na sua mente

Já que você está gerando tráfego para sua landing page, você já deve ter uma ideia de onde os seus visitantes estão na jornada de compra deles. Isso significa que você saberá se eles estão tentando diagnosticar um problema (percepção), procurando por uma solução para esse problema (consideração), ou já estão prontos para fechar o negócio (decisão). Seu texto e oferta devem refletir o momento certo se você quer ter conversões. Não é diferente de qualquer outro material de marketing: encontre seu visitante onde ele já está.

Crie uma experiência suave

Ninguém deve ficar surpreso quando chegar na sua landing page. Ela deve ser exatamente como foi anunciada, significando que você deve ser consistente com o seu texto. Use na sua landing page as mesmas palavras que usou para convencer as pessoas a chegarem nela, seja por anúncio pago, post nas mídias sociais, Call to Action em um blog, ou e-mail. Você precisa evitar a todo custo propaganda enganosa se quer que as pessoas fiquem na página.

Crie um caminho claro para a conversão

Não deveria ser tarefa do visitante adivinhar o que fazer enquanto navega pela sua landing page. Uma vez que alguém chega, deve ser claro o que você quer que eles façam: preencher a informação do seu formulário. Seu objetivo é guiar visitantes para o seu formulário de contato usando métodos de influenciar a direção do olhar deles.

Aqui vão algumas formas de induzir seu visitante a se tornar uma conversão:

  • Escolha uma imagem de uma pessoa que está ou olhando na direção, ou apontando para seu formulário;
  • Faça seu CTA ter uma cor contrastante para chamar atenção para ele;
  • Use setas para apontar para o seu formulário;
  • Insira uma âncora de texto que leve as pessoas para o formulário quando clicada;
  • Dê ao seu CTA algum espaço negativo na página;
  • Dê uma borda colorida e chamativa a seu formulário.

Deixe sua oferta escassa

Poucas estratégias de marketing emocional funcionam tão bem quanto medo… Especialmente, o medo de perder algo importante. Clientes não gostam de perder sua habilidade de escolha, e uma vez que você deixa claro que sua oferta tem uma alta demanda e poucas unidades/tempo limitado, eles vão se mover para obtê-la.

Outra razão para essa técnica funcionar tão bem é porque pessoas querem coisas que são difíceis de ter; que signifique valor e exclusividade.

Para mostrar melhor a escassez, mencione quão poucas unidades da sua oferta estão disponíveis, coloque uma contagem regressiva para ela acabar, e utilize palavras como “Última chance”. Obviamente, queremos que haja verdade nas palavras, então use apenas estratégias que ressoem com os valores e o momento da sua empresa. No fim das contas, há muitas formas de usar e se beneficiar com essa técnica.

Use vídeos

A popularidade de Video Marketing está crescendo exponencialmente, e por bons motivos. Clientes não apenas preferem ver vídeos de empresas, mas há provas de que vídeos aumentam conversões em até 80%. A chave é criar um vídeo eficiente, que não distraia visitantes do seu objetivo: o Call to Action.

Se você ainda está na cerca sobre usar vídeo, aqui estão algumas razões que façam você pender para um lado:

Vídeos…

  • Aumentam a taxa de conversão;
  • É um jeito mais pessoal de compartilhar uma mensagem e se conectar com prospects;
  • Tem um engajamento maior que uma imagem e darão aos visitantes o hábito de clicar em algo (e se converter);
  • Deixa os visitantes por mais tempo na página;
  • É processado 000 vezes mais rápido que texto.

Está animado vendo todos os jeitos que você pode melhorar suas landing pages? Claro, há várias formas, mas isso só significa que uma landing page com performance baixa não precisa ficar desse jeito. Leve uma estratégia de cada vez e a construa conforme for necessário.

O que fazer pós-conversão: nutrição de leads

Então, agora você tem uma landing page otimizada que converte que é uma beleza. E agora? Você não quer deixar esses leads na mão. Em vez disso, você quer nutri-los para que se tornem clientes, e então nutri-los um pouco mais. Aqui vão algumas dicas de como fazer isso.

Otimize sua página de agradecimento

Espero que você ainda não esteja cansado de otimizar. Sua página de agradecimento é a primeira coisa que alguém vê quando vira uma conversão, então serve como ótima oportunidade para maravilhar seu lead ainda mais. Seu objetivo é dobrado: entregar a oferta prometida e fazê-los se interessar em outra coisa do seu site.

Sua página de agradecimento deve conter:

  • Um agradecimento para seu lead (chocante, eu sei);
  • Prover links de conteúdo relevante do seu site;
  • Convidar seu lead a te seguir nas mídias sociais;
  • Perguntar se seu lead quer se inscrever no seu blog;
  • Automatizar um e-mail de follow-up com a oferta.

Os guie na jornada de compra

Seu novo lead vai pelo caminho para a decisão dele com ou sem você. Você quer ser a pessoa a ajudá-lo a chegar lá. Você conseguiu alguma informação valiosa sobre o lead, o que significa que você pode antecipar o que ele precisará em seguida. Dê conteúdo ou recursos para levá-los ao estado subsequente da jornada, e você terá a chance de ser a opção deles no estágio de decisão. Afinal, sabemos que prospects compram de empresas que eles conhecem, gostam e confiam.

Forme um relacionamento

Uma vez que alguém se inscreva para receber informação sua, eles se tornam um cliente em potencial com quem você deve trabalhar duro para construir um relacionamento e uma conexão. A parte boa é que você já sabe no que eles se interessam e quais são as dores deles, então você pode atingi-los com marketing adicional, cheio de conteúdo útil e personalizado.

Conclusão

Landing pages vão ser responsáveis pela maioria dos seus novos leads, então eles demandam sua atenção. Com o grande número de alterações, adições, e variações que você pode implementar, não há razão para você não possuir uma landing page com boas conversões. Enquanto você seguir as melhores práticas, já mencionadas acima, você está a caminho de uma landing page com uma boa performance. E se precisar tirar dúvidas ou preferir contratar profissionais especializados, estamos aqui.

Artigo baseado no site Hubspot, “The Ultimate Guide to Landing Pages”

Tudo o que você precisa saber sobre funil de vendas e customer success

Tudo o que você precisa saber sobre funil de vendas e customer success

O que é funil de vendas?

Funil de vendas é um processo que descreve o percurso que um potencial cliente faz desde o primeiro contato com o produto até a realização da compra. O modelo teórico mais difundido de um funil orientado às vendas é o AIDA. Originado na obra Bond Salesmanship, foi mencionado pela primeira vez por William W. Townsend, em 1924.

O que significa AIDA?

A sigla AIDA descreve as etapas de um modelo de funil de vendas, que passa por: atenção, interesse, desejo e ação. A “atenção” acontece quando o seu target tem o primeiro contato com o seu produto (ou serviço). Enquanto a segunda etapa, “interesse”, descreve a expressão do target que está interessado pelo objeto de venda. Segue o “desejo”, quando ele realmente quer comprar o seu produto ou serviço. Já a “ação” é o ato da compra em si.

Evolução do funil de vendas

Outra proposição do funil de vendas acrescenta ainda duas etapas que descrevem o contato com o cliente no pós-venda: “Lealdade” e “Apóstolo”; transformando a sigla AIDA em AIDALA. O principal objetivo desta evolução do funil é dar importância à fidelização do cliente. Para isso, o “L” requer descobrir os fatores que manterão a lealdade do cliente. Já a letra “A” reflete a questão de “como transformar o cliente em um apóstolo da marca?”

Ambos os modelos por si só não conduzem o profissional de marketing ou empresário na sua tomada de ação, mas são uma orientação para a construção do planejamento estratégico. Levando em consideração estas etapas da jornada do cliente, o plano tem muito mais chances de ser efetivo e realmente gerar vendas.

O funil de vendas do marketing digital

Para as vendas online, o tradicional funil AIDA pode ser aplicado com base em uma campanha de marketing na internet, considerando o ambiente digital. O modelo a seguir, diferentemente do AIDA ou AIDALA, orienta as ações para o funil no marketing digital.

  • Gerar atenção = Prospectar o Cliente a partir de ferramentas online para geração de leads
  • Gerar Interesse = Apresentar o Produto a partir de uma apresentação digital, como pelo o e-mail marketing
  • Gerar Desejo = Quebrar as Objeções tirando todas as dúvidas que afastariam o lead da compra
  • Gerar Ação = Realizar a Venda com a negociação na etapa final de contato com o cliente

Funil de Vendas Orientado ao Cliente

Outra forma de descrever o funil é considerando a atuação do potencial cliente no processo. Considerando que a “Atenção” está no ambiente digital, o potencial cliente é primeiramente um “Visitante” no seu site. Ele descobriu que tem uma necessidade a ser resolvida e achou o seu conteúdo de marketing como uma possível solução. Em seguida, resolveu criar algum relacionamento com sua empresa e forneceu seus dados de contato.

Nesta etapa do meio do funil, seu cliente potencial já se transformou em lead, e você já sabe da existência dele. É, portanto, a sua oportunidade de continuar a conversa e tirar todas as dúvidas dele com relação ao seu produto ou serviço antes de seguir para o fundo do funil. Nesta fase, já existe uma relação de confiança e você já pode fazer uma oferta de valor para o cliente. Esta é a oportunidade perfeita para você oferecer o que tem para ele.

Outra forma de colocar o cliente no centro das atenções do seu funil é através da adoção do conceito de Customer Success. Do inglês, sua tradução já revela o foco das ações: Sucesso do Cliente; que tem tudo a ver com a sigla AIDALA da qual falamos aqui neste artigo.

O que é Customer Success?

Customer Success nada mais é do que ter ações de marketing focadas na experiência do cliente. O objetivo é reter clientes já conquistados, mantendo-os ativos por mais tempo e assim gerando mais receita. Esta necessidade foi observada a partir de cálculos das despesas de marketing para obtenção de clientes novos. Comparado à fidelização e venda para clientes já efetivos, o CAC (Custo de Aquisição do Cliente) mostrou-se muito mais caro. Portanto, o customer success trabalha para manter o número de clientes ativos a fim de diminuir as despesas com aquisição de novos clientes.

Customer Success versus SAC

Ao contrário do que você possa ter pensado em um primeiro momento, o customer success nada tem a ver com o institucionalizado Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC). O customer success está centrado na atuação proativa para vendas. O modelo considera a máxima de que o cliente é responsabilidade da empresa. E, portanto, deve identificar as necessidades do seu cliente e oferecer a ele exatamente o que precisa.

Como implementar o Customer Success?

Para implementar o Customer Success dentro da sua empresa, é necessário um investimento financeiro e de tempo. Mas principalmente permitir mudanças em todos os modelos que a empresa já segue ou seguiu até o momento. Ao montar o novo plano estratégico, considere estes três pontos: treinamentos, suporte e feedback. Entenda melhor a seguir.

  1. Invista em excelentes treinamentos

De nada adianta uma boa estratégia sem os melhores profissionais para executá-los, não é mesmo?! E por mais que bons currículos falem bastante, é necessário treinamento voltado para o Customer Success. O time de vendas precisa ter claros os objetivos e metas do seu trabalho.

Em oposição a modelos arcaicos de venda, o customer success não trabalha empurrando o produto para o cliente. Ele considera toda a jornada de compra e investe no relacionamento contínuo e dinâmico. Assim, a negociação se torna mais confiável e viável.

  1. Dê ao cliente condições de gostar do seu produto

Muitas vezes, o cliente adquire um produto bom da sua empresa, mas não sabe como usufruir corretamente após a compra. Portanto, disponibilize o máximo de materiais para auxiliá-lo, como tutoriais em vídeo, manuais bem explicativos, webinars, artigos e até fóruns para discussão com outros usuários.

E você não deve fazer isso apenas quando o cliente entra em contato para tirar uma dúvida. O customer success trabalha com a ideia de oferecer ajuda após a compra, de acordo com o perfil do cliente ou com o histórico de dúvidas de outros clientes. Pode ser essa ainda uma postura adotada para 100% dos clientes que adquirem determinado produto ou serviço.

  1. Colha feedbacks valiosos e faça algo com eles!

O profissional de Customer Success tem uma importância estratégica para o negócio e deve ser orientado a coletar feedback dos clientes. Entrar em contato para perguntar como é feito o uso do produto e qual a satisfação, dúvidas ou sugestões é de suma importância para aprimoramento da empresa.

O resultado desta pesquisa não deve ser guardado na gaveta, mas utilizado ao máximo para atualizações do produto e resolução de quaisquer problemas recorrentes. Afinal, o sucesso do cliente é de pura e total responsabilidade da empresa.

Como integrar estratégias de funil de vendas e customer success?

Diretamente ligados, estes conceitos podem ser trabalhados juntos em planos táticos bem definidos. A automação de marketing é uma excelente forma de realizar esta integração, otimizando ambos os modelos e gerando resultados palpáveis para a empresa. Acompanhe nosso blog e aguarde nosso próximo artigo, que irá ensinar como utilizar a automação de marketing para otimizar o funil de vendas e o customer success!

O que é SEO? Como otimizar seu site para mecanismos de busca

O que é SEO? Como otimizar seu site para mecanismos de busca

Se você veio até aqui buscando entender o que é SEO (Search Engine Optimization), deve começar conhecendo a sigla. Na tradução, significa “otimização para mecanismos de busca”.

Logo, para que o seu site seja encontrado pelos usuários, será fundamental otimizá-lo para buscadores. Isso porque sites como Google e Bing são largamente acessados para o início de uma navegação online.

Neste artigo, você irá aprender como ocorre a otimização de sites. Também apontaremos as principais etapas para você utilizar esta estratégia. Com isso, esperamos que você consiga fazer com que o seu site seja indexado pelo Google e outros buscadores, preferencialmente nas primeiras colocações.

Assim, serão maiores as chances de você passar na frente dos seus concorrentes. Sem falar, é claro, nas maiores oportunidades de negócios a partir do seu site. Então vamos lá!

O que significa otimização de sites?

A definição de SEO (Search Engine Optimization) gira em torno de técnicas para otimizar o posicionamento de páginas web no ranking de pesquisa dos mecanismos de busca. Desta forma, quando uma pessoa procura por determinado termo ou palavra-chave, é referenciado o site ou a página interna que contém este conteúdo.

São inúmeras as técnicas para otimização de sites. Falaremos de algumas delas ao longo deste artigo. Por enquanto é fundamental a compreensão de que a estratégia de otimização de site tem o objetivo de fazer com que os mecanismos de buscas, ao ler o seu site, o vejam como uma referência para um determinado termo ou palavra-chave. Com isso, os mecanismos de busca tendem a dar maior evidência para o seu site organicamente.

A estratégia prevê resultados orgânicos, ou seja, sem a necessidade de pagamento de anúncios para posicionamento de palavras-chave. O grande objetivo a ser alcançado é: fazer com que o site otimizado seja encontrado pelos usuários logo nas primeiras colocações. Ou seja, antes do que a página dos concorrentes.

Desta forma, serão maiores as chances de conversão dentro do seu site. Em outras palavras, fazer com que a visita seja convertida em um cliente efetivo.

Como usar SEO no seu negócio?

Agora que você já sabe a definição de SEO, é importante que entenda as principais etapas desta poderosa estratégia. Ao contrário do que você já possa ter ouvido falar, não diz respeito só a palavras-chave. Aliás, o planejamento de ações é a parte mais importante do processo. Veja, a seguir, as etapas para usar SEO no seu site e aumentar as chances de sucesso no negócio.

Tópicos:

  1. Auditoria do site
  2. Pesquisa de dados
  3. Conteúdo
  4. Site responsivo

1. Auditoria do site

Auditoria é o processo de examinar o desempenho do seu site. A partir dos dados obtidos, é possível planejar os passos para o SEO. E você pode fazer isso com a ajuda de algumas ferramentas, como o Semrush.

Guarde os relatórios gerados e aproveite para comparar com os resultados obtidos após a estratégia de SEO. É importante a análise constante para saber como está o desempenho das suas ações. Só assim é possível avaliar as técnicas utilizadas para alcançar um resultado cada vez melhor.

2. Pesquisa de dados

A primeira coisa que você deve saber sobre otimização de sites para buscadores diz respeito ao conteúdo. Esta é a parte mais importante do processo. Pois para seu site aparecer nos resultados de busca do seu público alvo, é preciso que você responda às perguntas que ele faz. Para isso, uma pesquisa de dados é primordial.

Faça pesquisa de dados no Quora

Lembra do Yahoo Respostas? Aquele site de perguntas e respostas em que um usuário ajudava o outro? Muito popular há alguns anos, o formato ainda persiste e é de grande relevância também para pesquisas de dados. É o caso do site Quora. Nele, os usuários fazem perguntas e organizam as respostas com o objetivo de sempre ajudar a comunidade em suas principais dúvidas.

Primeiramente, você deve acessar o pt.quora.com, escolher as áreas de interesse e idiomas que compreende para pesquisar ou responder. Em seguida, ao chegar no feed, você tem a opção de navegar pelas perguntas e respostas dos usuários.

No caso de pesquisa de dados, recomendamos que vá direto em “Qual é a sua pergunta ou link?” Dando continuidade, na janela que abre, comece a digitar a sua pergunta devagar e observe as opções que aparecem pelo recurso “auto completar”.

Essas perguntas significam muito e você pode se aprofundar sobre o que o seu público busca. Ou ainda observar o tipo de resposta que costumam ter. Ou seja, os dados obtidos podem ajudar bastante na sua estratégia de otimização.

O buscador do Google indica itens mais procurados

O mesmo você pode fazer no Google.com. Sugiro começar abrindo uma janela anônima do Google Chrome (desta forma os resultados da sua busca não serão influenciados pelo seu histórico de consultas). Digite os termos-chave que você está pesquisando.

Observe que o Google, através do recurso auto completar do próprio buscador, irá mostrar algumas opções. Estas opções são os termos mais procurados baseando-se no que você está digitando.

Anote tudo e use a seu favor para ser encontrado!

3. Conteúdo

No tópico 2 deste artigo, falamos sobre a importância da pesquisa de dados para o desenvolvimento de conteúdo. O material desta pesquisa servirá para te orientar a criar materiais ricos com atualização periódica e planejada no seu site. Geralmente, este material é inserido em uma área denominada “Blog” ou “Notícias”.

A existência de uma área de blog no seu site é o que fará com que as pessoas o encontrem. Pois é lá que você vai responder às dúvidas que elas pesquisam no Google. Ou seja, com textos esclarecedores, bem escritos e com técnicas de SEO, é possível atrair o público certo para seu site.

Algumas técnicas de otimização que você pode aplicar no seu texto diz respeito à estrutura dos seus blog posts. Em outras palavras, elementos como títulos, tags (categorias e palavras-chave) e meta tags (descrições de texto em imagens) são muito importantes.

De acordo com o blog de referência em guias de marketing digital, NeilPatel, os melhores títulos têm entre 15 e 65 caracteres. Importante destacar que eles devem explicar do que se trata o seu blog post, serem atrativos para o usuário e conter a palavra-chave principal do seu texto.

Utilize um plugin SEO no seu site

Uma maneira de auxiliar na publicação de blog posts no seu site no quesito SEO, é utilizando plugins. Plataformas como WordPress costumam ter uma infinidade de possibilidades de plugins para diversos usos.

Com avaliação de 5 estrelas, Yoast SEO é um plugin original do WordPress. Ou seja, ele oferece um conjunto de ferramentas que orientam para a otimização de blog posts e de todo o site.

4. Site responsivo

O Comitê Gestor da Internet no Brasil, referenciado no site Folha de São Paulo, traz desde 2005 o censo anual sobre o uso de tecnologias da informação pelos brasileiros. No último estudo, realizada em 2018, foi notado que 49% do acesso à internet nos domicílios já é realizado exclusivamente pelo celular. Por fim, 47% utilizam celular e computador.

Sites responsivos focados na usabilidade pelo visitante

O resultado da pesquisa mostra a importância do desenvolvimento de sites responsivos para acesso em mobile. Não é porque seu celular pode ser acessado pelo navegador do celular que você não deve se preocupar em como ele é usado. Sites responsivos preveem a usabilidade do usuário em dispositivos móveis. E quanto mais agradável for navegar em seu site, mais tempo seu futuro cliente irá passar nele.

Portanto, você não deve apenas ter um site, ou ter um site bonito na tela do computador. É preciso ter uma boa navegabilidade no celular para alcançar a maior parte do público que atualmente acessa prioritariamente em dispositivos móveis.

Conclusão

Não adianta ter um site bonito se ele não gera visitas. Você terá um lindo site, mas que ninguém acessa. Ou seja, é preciso que o seu site seja encontrado pelos mecanismos de buscas para que cada vez mais pessoas o encontrem. Desta forma, maiores serão as chances de captação de novos clientes.

Portanto, explore ao máximo as técnicas de otimização de sites. A estratégia de SEO pode gerar ótimos resultados. Lembrando que você não precisará pagar por propaganda. Porém, justametne por ser uma visibilidade orgânica, não é algo fácil, rápido e simples.

O trabalho precisa ser feito com qualidade, consistência e paciência. Você certamente não será o único concorrendo por um espaço orgânico no Google. Sendo assim, tenha em mente que além de implementar as técnicas de SEO será preciso aprimorá-las, sempre.

Gostou deste artigo? Então, recomendamos também a leitura de: Como aumentar o tráfego de um site

Top 3 tendências de marketing digital para 2019 (as mais citadas)

Top 3 tendências de marketing digital para 2019 (as mais citadas)

Sabemos que você acha importante estar antenado sobre as tendências de marketing digital para 2019 mas está com pouco tempo para ler vários artigos de sites diferentes, não é mesmo? Então decidimos te dar uma força.

Reunimos as 3 tendências de marketing digital mais citadas para o ano de 2019, considerando as páginas de maior relevância para o Google quando o assunto é “Tendência de Marketing Digital para 2019″.

Já nos acostumamos a encontrar na internet as famosas tendências para o ano seguinte. Tendências de moda, tendências de tecnologia, tendências disso, tendência daquilo. Obviamente também existem as tendências de Marketing Digital.

Consultando fontes renomadas que tratam do assunto marketing digital decidimos fazer uma checagem. Afinal de contas, entre tantas tendências diferentes quais as que são citadas com maior frequência?

O nosso objetivo não é apontar a que tem maiores chances de acontecer. Nossa ideia com este artigo é te auxiliar na análise do cenário que se aproxima para 2019 em relação ao marketing digital.

As 3 Tendências de Marketing Digital para 2019 mais citadas.

Chatbot (Destaque para o relacionamento máquina e homem).

Tendência Mencionada por 100% dos sites consultados. 

Durante o ano de 2018 o assunto Chatbot esteve em evidência. Prestadores de serviço oferecendo soluções de chatbot, empresas e pessoas usando esta funcionalidade, em sua grande maioria ainda de forma básica, provavelmente para testar e avaliar o funcionamento das aplicações de bot. O fato é que cada vez mais o atendimento de clientes está se transformando. Aplicações com ou sem inteligência artificial estão cada vez mais presentes em nosso dia a dia. A Grand View Research calcula que o mercado de chatbots deverá crescer 24% anualmente até 2025.

Em uma palestra promovida pela Sharpspring tivemos a oportunidade de assistir uma excelente apresentação do Billy Garcia, profissional que atua junto a Zenvia como Evangelista. Ou seja, mais da metade da sua apresentação foi para falar sobre como a comunicação tem evoluído ao longo dos anos. A Zenvia entendeu que o assunto bot é tão novo que antes até de enfatizar a venda das sua aplicação é preciso ensinar o público sobre como as pessoas estão se comunicando, como a comunicação tem evoluído e qual a perspectiva de futuro.

Funções mais operacionais como um atendimento em 1º nível ou o envio de 2ª via de boleto estão cada vez mais sendo feitas por máquinas, tendo em vista a previsibilidade destes processos. No entanto, especialistas apontam que a sensibilidade humana será um enorme diferencial para nós nesta relação homem e máquinas. Devemos explorar cada vez mais a nossa capacidade de relacionar-se, de sentir emoções e canaliza-las para agregar ainda mais valor para as atividades que realizamos.

Maior volume de pesquisas feitas por voz.

Tendência Mencionada por 83% dos sites consultados. 

Segundo Andrew Ng, Chief Scientist do Baidu, até 2020 metade de todas as buscas serão feitas através de voz ou imagem. Esta é uma previsão que poderá gerar enormes impactos para as agências de marketing digital. Afinal de contas, como ficaria o trabalho de SEO? Quais serão as adaptações necessárias para um site ficar bem rankeado quando a pesquisa for através de voz? E se considerarmos busca por imagem o cenário ficaria ainda mais complexo.

Todavia vale lembrar que é comum ver pessoas tirando um sarro dos assistentes pessoais que fazem confusão ao ouvir um comando de voz. Isso demonstra que este recurso precisará ser melhor desenvolvido. Ao mesmo tempo, como o número de usuários fazendo busca por voz tem aumentado muito é possível que as ferramentas de buscam evoluam rapidamente a medida que forem cada vez mais acionadas.

Ou seja, é difícil precisar se no curto prazo teremos buscadores certeiros quando as buscas forem feitas por voz. O importante neste caso é estar atento ao assunto e acompanha-lo de perto para saber se o tema tem evoluído e quais os impactos notados.

Vídeos.

Tendência Mencionada por 50% dos sites consultados.

A transmissão de vídeo continua em alta. Segundo pesquisa da Livestream 73% dos negócios B2B que já utilizaram lives, tiveram um ROI positivo. De acordo com o exposto pelos especialistas é importante saber trabalhar as diferentes plataformas e, principalmente, gerar conteúdo que forneça o que os consumidores querem, quando e como querem.

Conteúdo vertical é uma opção que poderá crescer bastante tendo em vista o lançamento do IGTV do Instagram. A plataforma, através do IGTV abriu um espaço dedicado para a publicação do vídeo gravado verticalmente. Parece fazer bastante sentido, tendo em vista ser um formato prático de gravar um vídeo rápido e curto no celular, por conta própria. Vale acompanhar o crescimento desta plataforma.

Os vídeos ao vivo continuarão a crescer bastante. Porém, o grande desafio é gerar conteúdo que seja atraente para os clientes. Faça conteúdo para a pessoa e não para os algoritmos. A disputa pela atenção da audiência nas mídias é feroz. A quantidade de conteúdo disponível é gigantesca e o consumidor não tem muita paciência para vídeos cansativos. Segundo Camilo Coutinho, especialista em vídeos, em média o usuário leva entre 6 a 10 segundos para decidir se continuará assistindo o vídeo ou não.

Ou seja, você precisa fazer um vídeo que seja atrativo, para o público certo, na hora certa e dentro de um formato que capture a atenção do usuário em até 10 segundos. Fácil né?! Não, não é nada fácil!

Conclusão:

Desde a captura do seu público alvo, seja através das mídias sociais ou através das ferramentas de buscas, até o relacionamento com um lead, o marketing digital continua com suas constantes movimentações.

Os vídeos seguirão tendo destaque, entre as tendências de marketing digital, como um meio para dialogar com o seu público. Porém, novos formatos como os vídeos verticais deverão ser explorados. Um novo hábito dos usuários aponta para um maior número de pesquisa por voz. Isso implicará em um desafio extra para alcançar um bom posicionamento nos mecanismos de busca.

Tudo indica que 2019 será um ano que os bots irão crescer ainda mais. Iremos conviver cada vez mais com essas ferramentas. Elas estão rapidamente tomando conta de funções cotidianas como o atendimento ao cliente, por exemplo. Será preciso avaliar como eles poderão otimizar a estratégia de marketing digital de nossos clientes.

Adicionalmente, é importante destacar que nós seres humanos precisaremos explorar habilidades que nos diferenciam das máquinas. Relacionamento interpessoal, inteligência emocional, explorar os sentimentos, a emoção. Estas são habilidades que os robôs não desenvolveram (pelo menos até o momento!).

As agências precisam estar sempre atentas, acompanhando as mudanças e ajustando suas estratégias. Por sua vez os clientes dificilmente conseguirão acompanhar tamanhas alterações, novidades e tecnologias disruptivas. Ou seja, contar com especialistas alinhados com as tendências de marketing digital é fundamental.

Metodologia utilizada para elaborar este artigo:

Consultamos o Google para identificar as páginas que são referências no assunto “Tendência de Marketing Digital para 2019”. Selecionamos os players de maior referência como Resultados Digitais, Revista Exame, Social Brand, Administradores.com entre outros e relacionamos as tendências. Entre as tendências de marketing digital relacionadas selecionamos aquelas que mais vezes foram mencionadas.

Como usar emails para gerar oportunidade de negócios

Como usar emails para gerar oportunidade de negócios

Aprenda a se relacionar com o visitante do seu site por e-mail, gerando oportunidade de negócios.

Muitas empresas utilizam o bom e velho email como estratégia de marketing. Quando utilizado de forma estratégia, ou seja, de forma planejada, sem excessos, com um conteúdo relevante e direcionado para o público correto ele pode trazer bons resultados em sua campanha de marketing digital. Neste artigo daremos maiores detalhes sobre como usar emails para gerar oportunidade de negócios.

Sabe aqueles e-mails que você recebe em sua caixa de entrada que são provenientes de empresas? Eles são uma boa estratégia de marketing direcionada ao seu público alvo. Isso acontece porque empresas consolidadas hoje se caracterizam primeiramente por uma boa estrutura de marketing.

A jornada começa quando o visitante do seu site deixa um email de contato

Inicialmente você precisa ter uma fonte para a captura de contatos. Na internet, isso se torna cada vez mais fácil devido às variadas ferramentas que são disponibilizadas. O site, por exemplo, pode ser um excelente catalisador de contatos. Quando bem trabalhados, futuramente esses contatos podem se converter em fechamento de negócios. Quer saber como? Pois nós damos uma dica: através da captação de e-mails.

Quando o usuário entra no seu site, você deve encarar como uma oportunidade de negócio. Afinal de contas, o papa do marketing, Philip Kotler aponta a atração de clientes como a etapa mais difícil e mais cara do processo de marketing. Dessa forma, você não vai querer desperdiçar um cliente potencial, vai?

Além de formas de manter o visitante do seu site entretido com conteúdo de qualidade e uma boa apresentação do que você oferece enquanto serviço ou produto, você não pode deixar de perguntá-lo qual seu nome e pedir uma forma de contato.

Já reparou que existem sites que são feras nisso? Logo que você entra, sobe um pop-up ou um chat para se comunicar com você e pedir seus dados. Você também pode verificar formulários flutuantes ou na lateral da tela. Todos estes recursos têm o mesmo objetivo: ter o seu contato. Afinal, se você entra em um site e fica lá por um tempo é muito provável que existe ali algo que realmente te interessa para consumo.

A grande questão é: que tipo de dados pedir?

Existem variados tipos de formulários. Desde os mais simples, que só pedem nome e telefone, ou nome e e-mail; até os mais extensos, com endereço, profissão, identidade etc. A nossa dica para você é seguir o popular “menos é mais”. Você só precisa saber o nome e mais um contato do visitante para falar com ele. Então, por que pedir mais?

Na escolha do contato, opte sempre pelo e-mail. Ele é o que te dará a oportunidade de realizar um recurso chamado automação de marketing. Desta forma, você se comunica de forma eficaz com seu lead (cliente potencial) por e-mail. Tudo acontece de forma automática, fazendo contato e nutrindo-o com conteúdo da melhor qualidade. Assim, você estará estabelecendo conhecimento mútuo e gerando confiança, que é a base de qualquer relacionamento.

Há casos onde indicamos incluir uma ou outra informação adicional. Além do nome e email obter o cargo da pessoa pode fazer sentido para saber se você está falando com o tomador de decisão. Porém, para aqueles que estão começando a trabalhar com email em sua estratégia de marketing digital sugerimos começar pela forma mais simples, solicitando apenas o nome e email.

Como se comunicar com seu lead e transformá-lo em cliente?

O contato por e-mail através da automação de marketing segue algumas etapas. Todas elas são baseadas numa relação. Assim, você não pede algo para uma pessoa que mal acabou de conhecer, pede? Claro que não… Pois são muito grandes as chances de levar um “não” e até acabar estragando uma relação antes mesmo de ela começar. Veja, abaixo, as etapas para você transformar e-mails em negócios.

  1. A primeira etapa de nutrição do seu lead é se apresentar e explicar o porquê de estarem se comunicando;
  2. Logo após, pode enviar a ele materiais interessantes sobre temas relacionados ao seu negócio. Procure focar na produção de conteúdo que auxilie o seu contato em uma determinada dor/problema que ele possa ter;
  3. Depois de alguns e-mails, o ideal é você medir o status desta relação, conversando. Pergunte abertamente o que está achando do seu material. Esta será uma excelente oportunidade de fazer correções na rota, sempre que identificar tal necessidade;
  4. Depois disso, fale que você tem um produto ou serviço de que ele possa gostar, que pode vir a resolver uma determinada dor/problema.
  5. Caso o seu contato demonstre interesse, aí então ofereça diretamente o seu produto/serviço;

Acredite: desta forma, são muito grandes as chances de você fechar mais negócios. Procure ter sempre em mente a importância de capturar emails para gerar oportunidade de negócios.

Achou interessante?

Então, saiba como nós fazemos a automação de marketing e como ela pode ser aplicada para sua empresa transformar e-mails em oportunidades de negócios.

5 motivos para Anunciar no Google

5 motivos para Anunciar no Google

Para ter resultados diferentes, faça algo diferente! Considere anunciar no Google. Não é uma fórmula mágica, já que elas não existem, mas pode ser uma ótima forma de ampliar a visibilidade do seu negócio.

Atualmente, não existe uma maneira de falar e pensar a internet que não seja através do Google. A empresa virou quase um sinônimo de Web e é amplamente conhecida no mundo. Seus concorrentes não conseguem ultrapassar a popularidade da empresa, sem falar no impacto que o nome ganhou na sociedade. Precisa de alguma coisa, algum produto, ou alguma informação? Qualquer pessoa te dirá para “procurar no Google”.

Quando você pensa em comprar algo e quer atestar que fará uma boa aquisição, para onde você vai? Oras, para o Google! E quando quer comprar algo mais em conta do que nas lojas físicas? De novo, o mesmo site de pesquisas! Desta forma, o ambiente do Google se tornou o mais propício para investimentos em marketing digital. Ou melhor, quase que indispensável para alavancar um negócio online.

Então, como ignorar esta potência mundial online? A resposta é: não ignore e considere fortemente a possibilidade de anunciar no Google! Se quiser mais visitas e vendas na internet, esse é um passo essencial.

Vamos passo a passo nessa história, para você saber tudo que precisa para anunciar com segurança e eficácia!

Sobre o Google

Segundo a Wikipedia, O Google surgiu na década de 90, como um projeto de pesquisa universitária. Inicialmente, foi chamado de BackRub. Com o tempo, mudaram o nome para Google, como um erro de ortografia da palavra “googol”, que significa o número 1 seguido de cem zeros. Isso quis refletir a quantidade de informação que o motor de busca poderia processar; além da missão de organizar uma quantidade incalculável da mesma na internet.

O projeto foi um imenso sucesso: tanto, que hoje é uma das maiores três marcas do mundo, junto da Apple e da Amazon. Embora o seu foco primário seja a busca da web, o Google conquistou um repertório imenso de produtos, que incluem o sistema operacional Android, os aplicativos Maps, Waze e Fotos, o navegador Chrome, o cliente de e-mail Gmail, o serviço de armazenamento em nuvem Google One, a loja de apps, filmes e músicas Google Play, além da plataforma mundialmente famosa de vídeos, o Youtube. Muitas coisas, não? E isso são só algumas delas.

Entre tudo isso, entre todo o dinheiro que chega no Google, sabe de onde ele tira o maior lucro? De anúncios. É neste mecanismo que a empresa tem mais de 90%de todo seu faturamento. E por quê? Porque gera valor para seus usuários.

A intenção do público se torna clara no que buscam, e com cada pesquisa que fazem, elas te dizem exatamente que problemas querem solucionar. E se, para problemas específicos, a página da sua empresa fosse a primeira a aparecer no mecanismo de busca mais acessado do Brasil?

Isto pode ser lucro para o Google, mas também se reverte em benefícios imensos para o usuário. Porém, para que este seja o caso, ele tem que entender o que é a ferramenta e como utilizá-la; ou como alguém contratado poderá fazê-lo.

O que é Google Ads?

Primeiramente, é um rebrand do antigo Google Adwords, que ocorreu em 2018. Seu objetivo foi simplificar, refletindo as capacidades e a trajetória que a empresa procurava – e ainda procura – seguir. O Termo Adwords ainda é utilizado, mas sua nomenclatura oficial agora é Google Ads.

O que seria isso, então? Esta forma de publicidade é aquela que aparece quando você faz uma pesquisa. Os links anunciados no desktop possuem ao lado deles uma pequena etiqueta esverdeada com a palavra “Anúncio”. Antes eram amarelas, mas agora, há chance de sequer perceberem que é um anúncio e clicarem, já que o link é no mesmo tom de verde. Já no celular, a palavra “Anúncio” aparece em negrito, logo no topo do resultado de busca. Assim fica mais claro para o usuário que aquele resultado da pesquisa diz respeito a um anúncio pago.

Com lances e investimento, sua empresa irá aparecer na frente das empresas que as que chegam organicamente ao primeiro lugar no Google.

A palavra ou termo usado quando alguém faz uma pesquisa é chamado de “palavra-chave”. Através do estudo do que seu público-alvo mais pesquisa, é realizado um planejamento com uma lista de termos mais interessantes. A partir disso, você paga para o Google mostrar seus links com termos selecionados para os internautas. Este pagamento pode ser feito por impressão ou por clique no anúncio. Chegaremos lá daqui a pouco.

O Google Ads também conta com machine learning: O algoritmo dele analisa 70 milhões de sinais em um décimo de segundo, automatizando lances em tempo real no leilão de anúncios do Google. Isso faz com que ele consiga, automaticamente e com precisão, escolher a audiência e o anúncio correspondente a ela. Ele também te dá meios de mensurar os resultados, para que você possa testar e ajustar os seus anúncios de acordo com suas necessidades e, principalmente, o comportamento dos consumidores.

Há alternativas?

Há empresas em que o telefone só toca porque aparecem nos anúncios. Mas e para acessos a longo prazo? Para seu site ser sempre encontrado nas buscas, sem ter um centavo gasto? Para isso, existe o SEO (Search Engine Optimization). Links e palavras-chave fazem ser possível que sua página seja analisada e ranqueada pelo Google, possibilitando, sem custo, seu aparecimento nas primeiras colocações nos resultados de pesquisa. Ou seja, essa técnica irá trazer resultados eficientes, porém, é um processo que exige paciência, e não será imediato.

Para saber mais sobre SEO, confira nosso artigo “O que é SEO” e aprenda como otimizar seu site para mecanismos de busca!

Quanto custa o Google Ads?

O Google Ads é uma mídia geralmente mais barata que as tradicionais; até mesmo comparando com grandes portais que oferecem espaço para publicidade. Por isso, é procurada por empresas de todos os tamanhos. Além do mais, quando alguém investe em mídia convencional, como televisão ou o rádio, é muito mais difícil mensurar o retorno.

Nessa ferramenta, o usuário possui total controle sobre os valores investidos. É possível determinar o gasto por mês, por dia e por campanha. Também é possível fazer com que a cobrança seja realizada somente quando o anúncio receber cliques, ou a cada 1000 impressões (CPM), ou apenas quando ocorrer alguma conversão no site. Nela, é possível começar com pouco, avaliar o retorno e o comportamento do público, e aumentar o investimento gradativamente.

E quanto deve-se gastar? Não existe uma regra mágica, cada caso é um caso. Cada segmento e tipo de produto ou serviço tem a sua particularidade. Produtos muito concorridos demandarão maior investimento. Consequentemente, produtos com menos concorrência poderão gerar bons resultados com um investimento mais modesto.

Baseado no histórico de resultados de nossos clientes recomendamos que se invista ao menos 30 reais por dia, apesar de não haver custo mínimo para investimentos. Além disso, outro fato que vale a pena ser mencionado é que quanto menor o custo, menor a região em que o anúncio aparecerá.

Mesmo com pouco investimento, são necessários profissionais que saibam exatamente o que estão fazendo. Afinal, dominando o assunto, eles entenderão como segmentar e medir o quanto pode ser investido em cada anúncio. Irão avisar caso o cliente queira fazer um grande investimento que não terá um bom retorno, além de estarem sempre a par das atualizações constantes da ferramenta.

Nela também é possível contabilizar impressões, cliques, e saber quem realizou uma conversão no site (se realizou uma compra, preencheu um formulário, baixou seu aplicativo, ou telefonou para fazer um pedido). Também é possível “acompanhar” a pessoa, exibindo novos anúncios a ela por meio de remarketing. Ou seja, tudo isso contribui para que o anunciante tenha medidas precisas que indicarão o retorno do seu investimento.

Assim, ele pode identificar quais estão com poucos cliques e uma performance indesejável, e ajustar suas prioridades de acordo. Pode mudar a segmentação e priorizar o investimento onde o retorno foi melhor, além de tirar os que não estão funcionando do ar.

No mais, ferramentas de análise como o Google Analytics também podem ser utilizadas para saber mais sobre os hábitos de compras de clientes. Quanto eles pesquisam um produto antes da compra? Em que ponto eles fecham o site, abandonando o processo? São estatísticas importantes para o ajuste de uma estratégia. É recomendado sempre associar a conta do Google Ads a do Google Analytics para obter melhores resultados.

Como funciona o Google Ads?

Aqui falaremos de termos um pouco mais específicos. Contudo, explicaremos tudo direitinho, de forma que futuros anunciantes entendam onde estão pisando, mesmo se forem contratar profissionais para cuidarem dos anúncios. É importante saber os mínimos de onde se investe para visar o lucro, não é mesmo?!

Sempre que alguém pesquisa determinada necessidade no Google, o Google Ads automaticamente faz um leilão pela palavra-chave pesquisada, buscando os anúncios qualificados para a mesma. Isso determina quais serão exibidos nos resultados da busca, além da ordem em que os anúncios serão mostrados. Porém, não é um leilão em que o lance mais alto ganha!

O Ads se baseia na classificação do anúncio (Ad Rank), que é determinado de acordo com o Lance Máximo de CPC (custo por clique) e o Índice de Qualidade. Caso este último fator tenha um índice maior do que o de outro anunciante, sua classificação poderá ser mais alta, mesmo se o lance dele for maior do que o seu. Ou seja, cada leilão pode ter resultados extremamente diferentes dependendo da concorrência do momento. Por isso, é normal observar oscilações na posição dos anúncios.

O Custo por Clique é o quanto você investe. Mas então, o que é Índice de Qualidade?

Ele é uma estimativa da relevância do anúncio, da taxa de clique (CTR) e da Landing Page. Explicaremos melhor:

A relevância do anúncio indica o valor da palavra-chave em relação à mensagem do anúncio. Alguém que digita uma palavra-chave específica pode achar um anúncio com a mesma por essa razão: ele se torna relevante, pois é o que a pessoa procura.

O CTR – click through rate – é o número de vezes em que o anúncio foi clicado (cliques), dividido pelo número de vezes que o anúncio apareceu para alguém (impressões). Acredita-se que esse é o fator que possui mais força no Índice de Qualidade.

Porém, as páginas de destino (Landing Pages) também são de suma importância para o Índice. Esse peso vem aumentando, já que o uso de smartphones para realizar buscas apenas cresce; o que deixa imprescindível que as páginas tenham uma boa usabilidade em dispositivos móveis. Quando alguém acessa um anúncio, ela tem uma expectativa: e se a página de destino não for do agrado do consumidor, ele voltará ao Google e clicará em outro anúncio, ou realizará uma nova pesquisa. Ou seja, o Google mede a positividade da experiência do usuário ao chegar na página que aparece após clicar no anúncio.

O Google Ads avisará se todos estes itens estão abaixo, acima, ou na média.

Como anunciar no Google Ads – Segmentação

A ferramenta oferece anúncio em momentos chave para seu público, e isso só acontece por ela permitir diferentes formas de segmentação, aumentando a própria eficácia. Você pode também misturar as segmentações, gerando formas de publicidade criativas! Veja as que o Google Ads oferece:

  • Keywords ou palavras-chave: os anúncios serão exibidos para as pessoas que realizarem alguma busca no Google utilizando palavras ou frases que representem os produtos e serviços, ou que já visitaram websites sobre esse mesmo assunto pesquisado (histórico de navegação).
  • Segmentação por tópicos e canais: a plataforma permite escolher algum tópico específico, e os anúncios serão exibidos em vários sites sobre esse determinado tópico. Também é possível escolher diretamente os sites que são mais acessados pelo seu público, e exibir seus anúncios neles.
  • Público-Alvo: com segmentação por público-alvo é possível exibir anúncios para pessoas interessadas mesmo quando essas pessoas estiverem navegando em websites, usando aplicativos ou assistindo vídeos que não estejam diretamente relacionados aos seus produtos e serviços.
  • Local de exibição do anúncio: é possível escolher onde os anúncios serão exibidos: em mecanismos de pesquisa, sites comerciais ou sites pessoais (blogs, por exemplo).
  • Idade, local e idioma: a plataforma permite escolher a idade, a localização geográfica e o idioma de quem será impactado pelos anúncios.
  • Programação (dias, horários e frequência): existe a possibilidade de exibir os anúncios em determinadas horas ou dias da semana, e escolher a frequência de exibição desses anúncios.
  • Segmentação por dispositivos: os anúncios podem ser exibidos em todos os tipos de dispositivos (computadores, laptops, tablets e smartphones), e você pode ajustar quando e em quais deles seus anúncios vão aparecer.

Tipos de anúncios no Google Ads

Então, onde você deve começar a anunciar? As opções são diversas, e isto irá variar de acordo com seu produto, público-alvo, etc. Lembre-se de consultar especialistas antes de decidir. Os meios pelo qual o anúncio pode ser veiculado são:

Rede de Pesquisa

São os resultados de busca do Google e de sites parceiros de busca. Anúncios são exibidos nas quatro primeiras posições; e para palavras-chave de concorrência, também nas três últimas. Além de sites de pesquisa do próprio Google (contando com Google Play e Google Shopping), também fazem parte desta rede os resultados de busca de portais como UOL e Terra. Também participam sites menores que tem mecanismos de buscas internos e fazem parte da rede de afiliados do Google; o Google AdSense.

Rede de Display

É composta por milhares de sites dos mais diversos segmentos, do NY Times até o Gmail e Youtube. A rede também exibe anúncios para sites e aplicativos dispositivos móveis (mobile). A Rede de Display permite selecionar, de forma detalhada, os assuntos da página ou sites em que os anúncios serão exibidos e para qual público-alvo, os fazendo aparecer em domínios relevantes ao que será vendido. Podem ser anúncios de texto, gráfico, interativos, e em vídeo.

Youtube Ads

O Youtube tem uma relevância na sociedade quase tão grande quanto o Google, sendo o segundo maior buscador de informações online. É, também, propriedade do próprio Google. Centenas de milhares de pessoas o acessam todos os dias, assistindo a mais de seis bilhões de horas em vídeo. A empresa pode escolher anunciar em banners, vídeos, etc.

Google Shopping

Com isto, é possível criar campanhas para promover produtos de e-commerce, intensificar o tráfego para o site e até mesmo para a loja física, e gerar leads mais qualificados. Para anunciar lá, é necessário enviar um feed de dados para o Google Merchant Center. Então, quando criar uma campanha no Google Ads, ele utilizará as informações desse feed (e não de palavras-chave) para determinar como e onde os anúncios serão exibidos. Então, anúncios serão criados dinamicamente na rede de pesquisa e na rede de display, exibindo foto do produto, preço, informações relevantes da loja, etc. Este tipo de anúncio pode aparecer ao mesmo tempo que um de texto da mesma empresa na Rede de Pesquisa, aumentando a chance de cliques e compras.

Campanhas para aplicativos móveis

Sua marca possui um aplicativo? O Google Ads também dá diversas possibilidades de o divulgarem para que as pessoas façam o download. Você pode promove-lo na Rede de Pesquisa, Rede de Display, Youtube, ou decidir por divulgar uma campanha no Google Play. Além disso, é possível encontrar pessoas com interesse no conteúdo do aplicativo, fazer com quem já o instalou volte a usá-lo, e realizar ações.

Remarketing

Essa estratégia visa exibir anúncios de sites que um usuário já demonstrou interesse. Por ela, é possível alcançar pessoas que já utilizaram seu site ou aplicativo. Quando as pessoas são listadas por páginas com a tag “remarketing” do Google Ads, é como se ficassem “marcadas” durante algum tempo.

Público-alvo semelhantes

Com esta função, é possível encontrar novas pessoas com características semelhantes a clientes ou leads; pessoas que demonstraram interesse no seu negócio.

Anúncios para listas de e-mail

Com este recurso, é possível utilizar uma base de e-mail de clientes para quais surgirão anúncios nas pesquisas do Google, no Gmail ou Youtube. Assim, é possível criar campanhas para pessoas que já são seus clientes, ou para determinados grupos. Isso traz um grande potencial de reativação de clientes com promoções, e possibilita campanhas para gerações de leads: quando se gera um público-alvo semelhante ao da lista de e-mails, com o intuito de impactar pessoas com o mesmo perfil da lista existente.

Campanhas apenas para chamadas (Call Only)

Para empresas que não possuem um site ainda, ou preferem receber chamadas telefônicas. Sim, é possível configurar uma campanha só para chamadas! Com isto, ao invés de cliques, os lances vão gerar chamadas telefônicas automáticas, em vez de um redirecionamento a uma página.

 

5 motivos para anunciar no Google

Gostou de entender mais sobre a ferramenta? Após todos esses detalhes, se a pergunta de “Por que devo fazer uma campanha no Google Ads?” permanecer, temos as respostas:

  1. O Google é o buscador mais acessado do mundo

Diversas pesquisas apontam, há anos, o Google já consolidado como o site de buscas mais acessado no mundo. Um dos motivos é que ele se tornou a página inicial em boa parte dos navegadores. Não esquecendo do navegador do próprio Google, que também dispara na frente, o Google Chrome. De acordo com o NetMarketShare, ele consiste em 65.57% de usuários globais em computadores, com o segundo lugar sendo o Internet Explorer, com apenas 9.64%. Em celulares, ele tem 62.53% usuários globais. O Safari, da Apple, vem em segundo, com 29.12%.

Portanto, ao anunciar no Google você amplia consideravelmente a probabilidade de que as pessoas vejam um anúncio sobre o seu negócio.

  1. Encontre seu público alvo na internet

Com infinitas possibilidades de segmentação, o Google Ads pode ser realmente eficaz. Quando configurado por um profissional habilitado e experiente, pode render resultados incríveis. Como os seus anúncios irão aparecer para um público muito bem segmentado, as chances de ele aparecer para o seu público alvo, em um momento onde ele procura pela solução de um problema, é muito grande.

  1. Seus concorrentes já estão no Google

Muitas empresas de médio e grande porte do mercado de qualquer segmento já se encontram no Google, e realizam campanhas em Google Ads. Mas o potencial democrático do Google é tão grande que até as pequenas empresas podem entrar no cenário. Empreendedores autônomos também têm realizado investimentos em anúncios do Google. Então, se você ainda não entrou, só falta mesmo a sua empresa!

  1. Resultado em menos tempo

Ao contrário dos resultados orgânicos no Google, provenientes de otimização do seu conteúdo, o Google Ads pode apresentar resultado efetivo em menos tempo. Você configura e já pode receber visitantes em seu site horas depois do anuncio. As pessoas não param de pesquisar, e seu anúncio estará lá!

  1. Tenha o melhor custo-benefício

Há inúmeros recursos disponíveis para configurar um anúncio no Google. A ferramenta é muito robusta e poderosa, mas para tirar o melhor proveito dela é preciso saber usá-la. Por isso, para sua campanha no Google ser realmente eficaz, é necessário que seja realizada por um bom profissional. Dentro do marketing digital, há a especialização em Google Ads, e é este segmento que você deve procurar.

Quer anunciar no Google ? Trabalhe com quem sabe fazer o Gerenciamento do Google Ads.